Liberdade.

Essa palavra tem sussurrado em meu ouvido, em meio ao isolamento social: onde acesso liberdade?


Recorro aos livros e ao adormecer ela aparece. No sonho, ainda confuso e meio sem rosto, desperto no susto e percebo que a liberdade está em mim.


Busco então formas de acessá-la, seja em uma dança, música, na voz que ecoa durante a aula de canto, no ato de cozinhar, nesses momentos a liberdade percorre meu corpo.


Corpo este que também é livre, é potente, é transformador. É um corpo que sente e se faz morada.

A liberdade sou eu.


Texto de nossa Psicóloga Parceira Nathália do Nascimento Mello

26 visualizações0 comentário

Posts recentes

Ver tudo